7500 (2019) | Crítica

O Terror nas alturas!!!

Retratar a realidade cinematograficamente pode ser um problema. Você automaticamente prende-se aos fatos e esquece que aquela produção pode, repare bem, PODE expressar outras ‘verdades’, expressar sentimentos, afinal, cinema também é arte, e a ficção faz parte do jogo. Quando não, nos apegamos a um dado contexto, não conseguindo explorar novos interesses… Nos perdendo copiosamente a narrativa. 7500 da Amazon Studios, foi legal, expressou fatos dentro da realidade, mas só. Mesmo o ator Joseph Gordon-Levitt apelando positivamente no trabalho, o longa não empolgou. Confira prévia:

código aeronáutico que indica sequestro é o 7500, título-tema de nosso filme. Tobias (Joseph Gordon-Levitt) é dos muitos subcomandantes da empresa European, e seu trabalho naquela fatídica noite, e levar aproximadamente 200 pessoas de Berlim à Paris, mas algo fugirá do normal. Com poucos minutos no ar, o avião será tomado por três, quatro homens armados com facas de vidro: Terrorismo nas alturas! Aqui fica a dica, toda e qualquer ideia, quando levada ao extremo, pode apresentar conceitos perigosos e quase nunca terminam bem.

Os criminosos renderão parte da tripulação e viajantes próximos à cabine. O caos será instalado. Agora, estamos vivendo um momento psicológico bastante perigoso, as consequências são incalculáveis, imprevisíveis. Seres humanos confinados numa lata de metal voando a mais 300 km/h, e agora, reféns! E para Tobias, há um agravante nessa história, a sua companheira, mãe de seu filho, Gökce (Alyn Tezel) é uma das comissárias de vôo daquele mesmo avião.

7500/Amazon Prime Video – Reprodução

A trama consegue envolver o espectador em certos momentos, 7500 possui a carga de drama aceitável, mas não homogênea. Repleta de altos e baixos, a produção alemã não desenvolve bem. E muito disso é fruto da narrativa frágil e ausente de interesses. A história é contada de maneira desleixada. Sem explorar os cortes idealmente bem, a direção de Patrick Vollrath no minimo é questionável. E com um comodismo extrema, ele provoca a acomodação narrativa apoiada, apenas, na boa atuação de Joseph Gordon-Levitt, e só.

Entretanto, a algo positivo no filme, apesar de psicologicamente heterogêneo, o longa se Sobressai em alguns conceitos técnicos, como é o caso da indicação da chamada ‘Síndrome de Estocolmo’, na relação: sequestradores e reféns.

Sem apresentar muitos problemas nos quesitos técnicos, o filme, infelizmente, também não possui grandes valias, portanto, encontra-se bem no meio-termo das produções comuns, e desta forma, sem pompas, chegou a  Amazon Prime Video, 7500.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas a Amazon Prime Video:

7500 chegou a Amazon Prime Video em 19 junho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *