A vastidão da noite (2020) | Crítica

Quando a simplicidade faz milagres…

Assim como a Netflix, a Amazon Prime Vídeo tem trabalhado ‘duro’ em seus conteúdos originais, criando um catálogo compatível com o perfil de seu público, na perspectiva de arregimentar novos clientes, encontrando o seu espaço ao sol. Uma fórmula ‘clara’ para o sucesso ainda não existe, e aquele streaming tem apostado em várias possibilidades, desde franquias de peso à filmes independentes. E neste último tópico, temos uma grata surpresa, ‘A vastidão da noite‘ do diretor estreante Andrew Patterson. Apesar do longa de ter uma história batida, corriqueira de filmes do gênero ficção-científica, possui vários adendos positivos que o tornam numa bela produção cinematográfica. Confira prévia:

Na década de 50, tudo parecia normal. Em noites de jogos, os moradores de uma pacata cidade alicerçada no interior americano, deixam as suas respectivas casas para acompanhar o time de basquete local. Paralelamente, dois amigos, a jovem estudante e telefonista Fay (Sierra McCormick) e o radialista carismático Everett (Jake Horowitz), encontram em seus distintos locais de trabalho, a mesma interferência sonora no sinal de comunicação e diferente de tudo que já ouviram antes. Aliado a isso, paira sobre a cidade uma nova maldade. Tanto a audiência do rádio do local, quanto a cabine de telefonia são invadidos por uma loucura, causos inexplicáveis, mitos populares passam a ganhar vida… Estamos a beira de uma invasão?

Você já deve ter ouvido, lido algo nesse sentido, não é?! Mas o que torna ‘A vastidão da noite’ numa ‘grata surpresa’, numa ‘bela produção cinematográfica’? A simplicidade técnica apoiada numa narrativa dinâmica, envolvente e contida. O diretor Andrew Patterson trabalha arduamente, garantindo que o espectador seja levado cena após cena a acompanhar os devaneios da dupla protagonista. E como uma rádio novela, ou um ‘podcast moderno’ fosse, com falas extensas, mas deliciosas, o longa condensa os sentimentos exatos, no tom certo. E isso, estamos falando de uma história super-fechadinha, contida, dentro de um pouco menos que 90 min.

A Vastidão da Noite/Amazon Prime Video – Reprodução

A fotografia sombria de ‘A vastidão da noite’, quando acompanhada a trilha sonora intrigante, digna de fortes elogios, ditam a tensão do longa de maneira exponencial, como uma torrente de águas num rio tortuoso. E mesmo com um elenco enxuto, ‘A vastidão da noite’ é um exemplo claro de como uma narrativa certa, encaixada a bons detalhes técnicos, mesmo montados com baixos custos de orçamento, pode dar certo. Em suma… O filme parece uma história de suspense, mesclado ao terror psicológico contado a beira da fogueira com amigos, capaz de tirar o sono – nisso, ela cumpre a sua função brilhantemente.

E isto, meus amigos, é o chamado cinema inventivo. Quando apostamos na qualidade da escrita, na narrativa intensa e flutuante de uma boa história, mesmo em detrimento da grana, é justamente nesse momento que extraímos de maneira precisa, os bons detalhes da pouca qualidade técnica fornecida pelos estúdios. Simples, mas eficaz, contido, mas perfeito, sem grandes máculas foi a ‘A vastidão da noite’ da Amazon Prime Vídeo.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas a Amazon Prime Video:

A vastidão da noite chegou a Amazon Prime Video em 1º junho de 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *