Bill e Ted – Encare a Música (2020) | Crítica

Bill e Ted: Encare a Música (Face the Music), chegou no primeiro dia de setembro e era bastante aguardada. A sequencia que traz os protagonistas Willian “Bill” S. Presto (Alex Winter) e Theodore “Ted” Logan (Keanu Reeves) já numa meia idade, o que não poderia ser diferente, pois o último filme da dupla havia sido lançado em 1991. 

Dessa vez a trama vai além do ponto em que eles apenas precisam passar na aula de história, Bill e Ted continuam casados coma as princesas que conheceram no primeiro filme, que neste filme são interpretadas por Erinn Hayes e Jayma Mays e também pais de filhas chamadas Thea (Samara Weaving) e Billie (Brigette Lundy-Paine).

Além de não estarem bem em seus casamentos a dupla ainda está pressionada, por ainda não ter conseguido compor a música que irá trazer a paz a toda humanidade, quando são novamente levados por Kelly (Kristen Schaal), filha do Rufus (George Carlin), para o futuro, onde descobrem que têm algumas horas para que consigam compor a música que não só trará a paz e unirá as pessoas, como também salvará o Espaço/Tempo. Vejam o trailer:

Confesso que a hype estava muito acima do que foi entregue, mas ainda assim foi “totalmente excelente” ver esses dois adolescentes, na pele de homens de meia idade, passando por mais essas aventuras, conhecendo várias de suas próprias facetas em tempos e realidades diferentes e trazendo uma comédia que eu gosto muito. Daquelas que não precisam apelar para nudez, ou palavrões, como muitas vezes costumamos ver nas comédias americanas.

As filhas da dupla, que são praticamente réplicas femininas das versões jovens dos pais, possuem papel importante na trama também, auxiliando na formação da banda que deverá tocar a música que salvará o espaço/tempo e unirá todas as pessoas. Enquanto as esposas princesas não tiveram muito tempo de tela.

Classificação:

Tenho certeza de que quem gostou dos dois primeiros filmes Bill e Ted: Uma Aventura Fantástica (1989) filme que destacou Keanu Reeves para o mercado cinematográfico, e que pra mim é o melhor da franquia, e Bill e Ted: Dois Loucos no Tempo (1991), não irá deixar de gostar de Bill e Ted: Encare a Música. O filme apesar de ser o mais fraco dos três, ao meu ver, tem momentos divertidos e traz aquele sentimento nostálgico, que todos nós adoramos.

Sejam excelente uns com os outros” e vejam também outras de nossas críticas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *