Brooklyn – Sem pai, nem mãe (2019) | Crítica

Estreou hoje (05), Brooklyn – Sem pai nem mãe da Warner Bros Pictures. Um filme intenso, envolvente, investigativo, de ótimo tom que realiza dura críticas as ações dantescas do próprio homem, repleto de denúncias sociais. Confira o trailer:

O filme é baseado num livro homônimo escrito por Jonathan Lethem e nos leva a uma questão: Até onde o ser humano vai para conseguir o poder?

Sob um penumbra melancólica, Lionel Essrog (Edward Norton) é um solitário detetive particular com síndrome de Tourette, o que faz, volta e meia, não medir palavras, deixar a verdade escapar de seus próprios lábios, perdendo, então, o controle sobre o que diz. No momento Essrog está investigando o assassinato de seu amigo e mentor, Frank Minna (Bruce Willis) – bem solucionado através dos flashback’s -, mas tem poucas pistas sobre o que aconteceu, entretanto os caminhos o ajudaram a decifrar esse enigma. Muito pela paixão obsessiva em procurar pela verdade.

Brooklyn – Sem pai nem mãe nos faz viajar no tempo, principalmente com a narração de Edward Norton, nos fazendo lembrar dos filmes e séries de detetives de antigamente. Em alguns momentos do filme, nos deparamos com situações nas quais podemos adaptar aos dias atuais, problemas políticos, sociais, delicados, mas necessários para uma sociedade austera e democraticamente progressista avançar. Nisso, Jonathan Lethem e o próprio Norton acertaram, tornaram o tema, o enredo atual, mesmo permeando a década de 50, em solo americano. Umas das armas para efetuar isso, foi uma trilha sonora bem envolvente.

Com Edward Norton fazendo, basicamente, tudo – já que dirigiu e também escreveu – temos um filme que assemelha-se quanto ao núcleo de personagens ao Coringa da própria Warner, entretanto, diferente do segundo, esse protagonismo não ocorre com primazia, como do Joanquin Phoenix. Tornando, portanto, algumas figuras satélites, coadjuvantes esquecidos, pobres até.

Com um fotografia sombria, de relativa qualidade, chegou Brooklyn – Sem pai nem mãe aos cinemas.

Classificação: 

Veja outras críticas nossas:

Brooklyn – Sem pai nem mãe estreou hoje, no dia 05 de dezembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *