Dragons Dogma Anime

Dragon’s Dogma – 1º Temporada (2020) | Crítica

Podemos dizer que o ano de 2020, apesar das inúmeras dificuldades, nos apresentou ótimas adaptações do mundo dos games para as telonas e telinhas. E o nosso destaque da semana vem da Netflix, trata-se de Dragon’s Dogma. Com ótima proposta, e espetacular roteiro, o anime baseado na franquia de jogos da CAPCOM emudece o público pela sensatez textual, e solidez iconográfica, todavia sofre num quesito essencial, os traços ilustrativos. Confira prévia:

Assim como nos games, Ethan tem a sua vida roubada por um Dragão, e promete vingança. Em sua cidade, uma fera mitológica se levanta, quase que exterminando todo o vilarejo. Nesse triste embate, o nosso querido protagonista perde a esposa grávida e amigos. E se não bastasse toda a dor, algo inusitado acontece com Ethan: Ele tem o coração devorado pelo dragão, mas permanece vivo, assumindo um nova roupagem, um novo título – Ressurgido. Ethan fará de sua nova jornada, algo significativo; passará a caçar o dragão que lhe arrancou tudo.

Nessa incrível aventura colorida, Ethan enfrentará outros desafios até a batalha final. Desde monstros, figuras horrendas a sua própria espécie, que como um câncer devora, destrói o planeta. E o homem que Ethan foi antes daquele mítico episódio se perderá, tornando-se uma criatura sombria, pouco-à-pouco. Será que toda a jornada valerá à pena? Quando olhamos para o vazio, ele é capaz e possuir você? Em suma, podemos afirmar categoricamente que Dragon’s Dogma é uma alegoria sobre o duro convívio social. Onde você enlouquece, ou sobrevive as múltiplas nuances que vida lhe impõe.

Sobre os vários conceitos técnicos do anime, podemos avaliar bem a mixagem de som, o som e sim, o roteiro, quase que poético. A história flui num dinamismo quase que simbiôntico, sem perder tempo com bobagens, direto, preciso, apesar de profundo e reflexivo, beirando quase a perfeição. Todavia, o que destoa nesta série animada é sem dúvida, as próprias ilustrações. Em alguns momentos vimos uma bela fotografia, noutros, algo caótico e impreciso. Infelizmente, essa dicotomia técnica ‘estranha’ é um problema para o espectador.

Dragon’s Dogma/CAPCOM/Netflix – Reprodução

Rezando bem a cartilha das boas adaptações, podemos cravar que Dragon’s Dogma, da Netflix, foi bem construído. O RPG da CAPCOM, em mundo aberto, ganhou belos contornos filosóficos e intensos que só a indústria cinematográfica pode trazer. Com boas cenas de ação, mesclando violência à muitas conotações sexuais, o anime não decepcionará o seu público, ou o amante da franquia. A história dirigida por Shinya Sugai é deslumbrante e impressionista.

Classificação:

A primeira temporada do anime Dragon’s Dogma encontra-se disponível na Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *