Hanna – 2ª Temporada (2020) | Crítica

Perdida!

Se podemos resumir a segunda temporada da série da Amazon Prime Video, Hanna, seria essa a palavra utilizada. O programa que estreou em 3 de julho naquele streaming, foi capaz de esquecer o duro caminho que trilhou ainda na primeira, fazendo, claramente, escolhas ‘estranhas’ a narrativa, bem como a personagem protagonista de Esme Creed-Miles. Confira prévia:

A nossa jovem Hanna cresceu! Ao fugir de uma base militar norte-americana não-oficial, em terras estranhas, ela precisa continuar a se esconder em florestas hostis na Europa, todavia, o ambiente já é conhecido da garota, que dessa vez, terá a companhia de Clara (Yasmin Monet Prince).

O braço ultranacionalista da CIA, a ULTRAX não deixará isso barato. A instituição extremista fará de tudo para recuperar os seus ativos, e tentar encobrir os erros do passado. Essa nova jornada levará Hanna diretamente ao seio daquela organização criminosa, um caminho de auto-conhecimento e sem volta! Identificando seus reais inimigos e possíveis aliados. Paralelamente, a ULTRAX tentará silenciar a quem deseja expor os seus terríveis segredos, através de jovens bem treinadas, prontas para o combate.

A série é muito feliz na escolha do elenco, e nessa segunda temporada, aposta em jovens estrelas, além dos nomes recorrentes, Dermot Mulroney, o antagonista John Carmicheal e a  agente da CIA Marissa Wiegler (MIreille Enos). Esme Creed-Miles, a Hanna, continua firme em seu papel.

O programa evoluiu no que diz respeito a ação e combatividade, tornando as cenas mais reais e impecáveis. Mas, isso não foi o suficiente para salvar a série, que não passou do campo intermediário dos fatos. Os desafios apresentados no roteiro poderiam ser vencidos em dois ou três episódios, todavia, houve uma procrastinação textual e diretiva, culminando em oito medianos episódios.

Hanna/Amazon Prime Video – Reprodução

A segunda temporada de Hanna nos levou por um caminho repleto de ciclos concêntricos sem fim, que indicam o esvaziamento de ideias quanto ao programa. Talvez, a série devesse tomar um outro caminho, um caminho ‘novo’, uma evolução, e não terminar da mesma maneira que começou. Parecia que David Farr, showrunner do seriado, não sabia o que fazer com ele. O que foi uma pena!

A sensação exata para é que a segunda temporada terminou da mesma maneira que a primeira, além disso, não houve uma harmonia implícita entre os capítulos, ocasionando, em certos momentos, num programa desinteressante e frívolo. E tudo isso, somado a falta de ritmo, foi quase que fatal para série.

Hanna, que foi renovada para um terceira temporada, precisa se encontrar. Atualmente, o verdadeiro potencial do programa se perdeu, se enclausurou dentro de si mesmo. O universo precisa ser expandido, a personagem-protagonista precisa estar pronta pra isso. E não mais questionando por horas a fio, a moral dos atos praticados.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas a Amazon Prime Video:

A segunda temporada de Hanna chegou a Amazon Prime Video em 3 julho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *