O Dilema das Redes (2020) | Crítica

Toda a questão de ser um documentário fica sempre preso na teoria de só informar. É um crime fazer e ver filmes desse gênero apenas com a intenção de trazer informação e esquecendo que tudo que envolve o cinema precisa ter o intuito principal de entreter. O Dilema das Redes está preso totalmente na intenção de informar e de longe passa pela noção de que um filme – por mais documental que possa ser – é entretenimento. Confira prévia:

As questões das redes sociais é algo que é extremamente debatido desde que a internet se tornou uma ferramenta de massa. E é aqui que estamos presos quando o filme busca debater os males à saúde mental que a internet está causando e também as mazelas sociais que surgem desse uso sem regras e normas.

Quando disse em cima de estarmos presos no que o filme busca foi no sentido literal da palavra mesmo. Por jogar tantas informações o que parecia ser um debate sobre o tema se torna na verdade uma tentativa frustrada de assustar a audiência que está acostumada (para não falar viciada) no sistema.

O dilema das Redes/Netflix – Reprodução

O escape da narrativa exagerada de depoimentos “alarmantes” fica com uma simulação dramatizada de uma família e como a tecnologia está modificação a relação entre eles. Por ora até serve como exemplo daquilo que está sendo falado, mas se perde totalmente quando abraça o exagero.

O Dilema das Redes informa, mas em nenhum momento se preocupa em entreter. Não que se alienar seja a regra, mas no cinema é preciso entender suas formas de contar histórias (e estórias), trabalhar essa formas e não só contá-las de qualquer jeito. Uma pesquisa na internet acaba sendo mais interessante e bem mais desolador.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas a Netflix:

O Dilema das Redes encontra-se no catálogo da Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *