Os 10 melhores filmes de 2020 | SiriLista

Se não os melhores, os que fugiram do comum, emocionaram e subverteram a ordem, deixando uma boa impressão no difícil 2020. Confira a lista:

 

The Boys in the Band

The Boy in the Band/Netflix – Reprodução

Ryan Murphy virou mais uma grife que um autor, mas a revisita cinematográfica ao clássico LGBTQI+ do teatro é um achado do ano e merece destaque.

 

Ameaça Profunda

Ameaça Profunda/Fox – Reprodução

Um cinema de ação eficiente e sem tempo para coisas desnecessárias. O filme começa no mesmo ritmo que acaba e em nenhum momento parece sair dos trilhos.

 

A Química que Há Entre Nós

A Química Que Há Entre Nós/Amazon Prime Video – Reprodução

O cinema adolescente precisa de mais obras como essa dirigida por Richard Tanneque não subestima seu público e entrega temáticas e propostas complexas e interessantes.

 

O Homem Invisível

O Homem Invisível/Universal – Reprodução

A escolha de atualizar um clássico do horror da era de ouro americana com temáticas atuais foi bem inteligente e mesmo com alguns tropeços o filme é certeiro e fiel naquilo que propõe desde o começo.

 

Mank

Mank/Netflix – Reprodução

Os puristas de Cidadão Kane e defensores ferrenhos de Orson Welles estão demonizando o filme, mas essa visão intimista da criação do roteiro da maior obra prima do cinema estadunidense é bonito e bem honesto no que se propõe a fazer.

 

Rede de Ódio

Rede de Ódio/Netflix – Reprodução

Se David Fincher fez ‘A Rede Social’ o filme que definiria os anos 2010, Jan Komasa entregou o filme definitivo dos anos 2020. Assustador na mesma proporção que abraça a realidade.

 

American Utopia

American Utopia/HBO – Reprodução

David Byrne + Spike Lee. Não preciso falar muito sobre isso. Um dos melhores do ano e da vida.

 

Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre

Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre – Reprodução

Eliza Hittman fez um road movie sobre a crueldade que é ser uma minoria num mundo dominado por quem não está nem um pouco preocupado com sua existência. A cena da entrevista com a assistente social é uma das coisas mais intensas que o cinema de 2020 fez.

 

Estou Pensando em Acabar Com Tudo

Estou pensando em acabar com tudo/Netflix – Reprodução

Acima de tudo, o novo filme do Charlie Kaufman é uma ode ao processo criativo e como ele pode ser caótico. Você pode não gostar do filme ou do cinema dele, mas é impossível sair imune disso tudo.

 

She Dies Tomorrow

Ela morre amanhã – Reprodução

Amy Seimetz entrega não só o filme do ano mas como também um dos filmes mais hipnotizantes dos últimos tempos. Cinema independente raiz que faz muito blockbuster parecer filme Z.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *