Pequenos Grandes Heróis (2021) | Crítica

O nicho infantil explorado por Robert Rodriguez no começo dos anos 2000 foi algo bastante frutífero e alimentado com bastante saudosismo por aqueles que viveram e viram esses filmes na tenra idade. Deixando a impessoalidade (que escrever uma crítica pede) de lado e partindo para algo mais pessoal e intimista, lembro como se fosse hoje quando fui ao cinema com meus amigos de colégio para ver o que se prometia ser um filme 3D e que (pelo menos pra mim) era a primeira experiência na tela grande com essa tecnologia. As Aventuras de Sharkboy e Larvagil era o título e estética caricata e cartunesca ao extremo. Era notável até para meus olhos infantis de telespectador e a trama era tão simplória que eu e meus amigos saímos do cinema questionando se aquilo era um bom filme, mas em nenhum momento a experiência foi questionada, porque aquilo era puro entretenimento.

Com o passar dos anos, Pequenos Grandes Heróis estreou no início de 2021 na Netflix. Se trata de uma continuação direta, mas não totalmente relacionada ao primeiro filme. A pergunta que fica é se ele é para os filhos dessas crianças dos anos 00 ou se é mais uma tentativa de revival de sucessos de outrora.

Na verdade isso não importa muito e toda a função que tenho como crítico fica em questão quando tenho que visualizar, tecer comentários sobre um obra que não é direcionada para a minha faixa etária, afinal busco outros objetivos artísticos que minha busca insaciável pelo apogeu cinematográfico.

O exagero visual e toda a canastrice das atuações ficam na linha tênue do cômico para o vergonhoso, e acredito que até uma criança perceba como ali a utilização de um “deus ex machina” empobrece o filme, mesmo que o fundo do poço não pareça ter mais para onde cair.

Pequenos Grandes Heróis é um longa que as crianças podem até curtir, mas certamente os adultos (nisso inclua os críticos cínicos e os cinéfilos pretensiosos) vão achar um engodo. Fica o questionamento se o universo infantil despirocado de Robert Rodriguez vai ressurgir. Se sim, que com ele volte os óculos 3D com lente celofane bicolor e com a armação de papelão que você pode levar para cara. Esses retornáveis são muito broxantes.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas à Netflix:

Pequenos Grandes Heróis encontra-se na Netflix.

One Reply to “Pequenos Grandes Heróis (2021) | Crítica”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *