Quem é Kang, O Conquistador? | Raio – X #19

Eis que as portas do Multiverso se escancararam e de agora em diante o que nos aguarda é reino quântico, viagens no tempo, linhas temporais alternativas, multiverso da loucura e paradoxos temporais. E em meio a toda essa balbúrdia, surge o mais novo grande antagonista do MCU: Kang, O Conquistador!

Ao final da série ‘Loki’ [Leia a nossa crítica], fomos apresentados ao ser denominado “aquele que permanece”, que na verdade é uma das versões de Nathaniel Richards, encarnado pelo ator Jonathan Majors. Mas afinal quem é  esse tal de Kang? E que papo é esse de que ele é assim tão ou até mais poderoso que o Thanos?

Kang – O Conquistador é apresentado na série ‘Loki’, da Disney Plus – Reprodução

Kang – O conquistador, foi  criado em 1964 pelos lendários Stan Lee e Jack Kirby, e surgiu como um dos antagonistas dos Vingadores, apesar de uma de suas encarnações já haver encontrado  o quarteto fantástico, anteriormente.

Tudo começa quando um cientista do futuro, chamado Nathaniel Richards, da terra 6311, suposto descendente do Dr. Destino, descobre a viagem no tempo por meio da tecnologia e conhecimentos deixados por Victor Von Doom; os quais usa para viajar no tempo, ao antigo Egito, onde dispondo da tecnologia futurista, autoproclama-se o faraó “Rama-Tut”,  momento em que teve contato pela primeira vez  com o quarteto fantástico, quando teve seus planos frustrados pela equipe que no momento encontrava-se em uma de suas aventuras deslocados no tempo. Seria a primeira de muitas das suas investidas em seus planos de conquista.

Faraó “Rama-Tut”, uma das muitas versões de Kang/Marvel Comics – Reprodução

Após essa derrota, Nathaniel volta ao fluxo do tempo e segue ao Sec XX, onde conhece Von Doom, acreditando ser um de seus descendentes, passa então a interagir com Destino, com objetivo de, mais uma vez, enfrentar o quarteto. Nathaniel então viaja para o futuro, ao ano 4000, e lá, sob a alcunha de Kang – O Conquistador; o toma e o governa espelhando-se em Destino, sob mão de ferro. Mas suas ambições iam muito além, ele necessitava dominar todas as eras e linhas do tempo. Então, aficionado pela atualidade, e pela paixão com que os ditos “heróis” a defendiam, passou a desafiar os Vingadores por todos os períodos de tempo.

Em 1964, ele  faz a sua estréia em Vingadores #08, mas é derrotado. Ainda em 64, em Vingadores #10, somos apresentados a Imortus, um viajante temporal que utilizava-se de figuras históricas em suas investidas contra os Vingadores. Immortus é na verdade a versão mais longeva de Kang, especialista nas mais diversas nuances das linhas temporais, e devido a sua dedicação, Immortus é incumbido pelos Guardiões do Tempo de cuidar das linhas cronológicas temporais. Immortus também é o criador de Cronópolis, uma micro-cidade no limbo da existência, onde o tempo não funciona conforme as leis da física, onde quanto mais você se aproxima do núcleo da cidade, mais avança no futuro se deslocando por ela e no tempo, ao mesmo tempo.

Kang, O Conquistador/Immortus/Marvel Comics – Reprodução

Outrora surgiu outro ser, o Centurião Escarlate, que ludibriou os Vingadores de uma realidade paralela  a combaterem os originais, mas não logrou êxito. O Centurião Escarlate é outra faceta de Kang, que já enfrentou o Esquadrão Supremo e os X-Men de outra realidade e que inclusive auxiliará Kang na implantação de sua Dinastia na terra 616.

Também visitou o Início do Sec. XX, onde assumiu o pseudônimo de Vitor Timely, onde, influenciara, um jovem “Dr. Phineas Norton”, colaborando assim com a criação do Tocha Humana original.

Anos depois, em 1984, tomamos conhecimento de que Destino não fora o primeiro criador da viagem temporal, mas sim, Nathaniel Richards, o pai do Senhor Fantástico, cientista responsável por implantar a paz no Séc. XXX, o que nos deixa confusos quanto a sua origem. Até os dias de hoje a Marvel nunca confirmou efetivamente se Nathaniel descende de Doom ou de Richards, mas sabemos que pode também não ser de nenhum, afinal, ao término dessa saga, Reed restabelece seu pai à continuidade dele, porém, o ente que então se tornaria Kang, encontrou os despojos do aparato científico deixado pelo Senhor da Guerra (como o pai de Reed era conhecido) e construiu a máquina do tempo em forma de Esfinge, que o levaria ao Egito, onde tornou-se o faraó Rama-Tut. Isto é: ele pode muito bem ter se apossado não somente do material de Richards, como também de seu nome. Mas especulações a parte… Porém, continuemos…

O grande conquistador também já se apaixonou. Em uma de suas muitas campanhas, conheceu Ravona [personagem apresentado na série Loki], uma princesa de um mundo no futuro o qual subjugou; porém a relação é muito complicada e gira muito em torno da dicotomia de Kang em assumir seu grande amor ou realizar-se como o maior conquistador de todos os tempos.

Loki/Marvel/Disney Plus/Gugu Mbatha-Raw – Reprodução

Por suas interferências, Kang acabou por criar diversas outras linhas temporais alternativas e outros Kangs, inclusive formando o conselho dos Kang’s, aos quais substituiu e manipulou com o decorrer do tempo, com o intuito de dominar tudo. Afinal sua sede de conquistas parecia insaciável.

Kang então passou a alegar que Immortus era um fantoche controlado pelos Guardiões do tempo e negava-se a deixar seu destino na mão dos anciões, foi diante disso que em 98 na saga “vingadores eternamente” Vemos as consequências das discordâncias e da guerra travada entre Kang e Immortus, que, apesar de serem o mesmo ser em momentos distintos da história, por suas divergências, dividiram-se e desvincularam-se completamente um do outro. 

Anos depois ele retorna e finalmente consegue sua realização:  dominar a terra do século 21. Após bombardear Washington D.C e impor uma rendição incondicional do planeta, instaura sua “Dinastia Kang” com apoio do Centurião Escarlate, outra de suas versões do passado. Porém, como é de se esperar… os vingadores estavam lá mais uma vez e deu ruim pro Kang.

Em 2005 somos remetidos a sua juventude, onde vemos Kang se manifestar para ele em sua versão mais jovem, e mostrar-lhe seu futuro de conquistas, o que o deixa revoltado e decidido a mudar o rumo de sua história. O jovem Nathaniel resolve então voltar ao século 21 e assumir a identidade de rapaz de Ferro, onde munido de tecnologia futurista, inicia a formação de uma equipe que viria a ser denominada de Jovens Vingadores.

Kang, O Conquistador/Marvel Comics – Reprodução

Posteriormente em uma batalha travada contra os Vingadores e Jovens Vingadores, Kang é mortalmente ferido, pelo próprio Rapaz de Ferro, e diante disso o garoto resolve reassumir seu lugar de origem no fluxo do tempo, a fim de evitar mudanças mais drásticas; e a cada nova aparição sua, ficavam mais evidentes as mudanças de comportamento que já sinalizavam sua transformação no ser ao qual ele viria se tornar, até que ele finalmente reaparece na atualidade como Kid Immortus.

Muitos anos depois nos é apresentado o Sr. Gryphon, que no decorrer do tempo se mostra como mais uma de suas versões, na realidade tratara-se de um Nathaniel preso na atualidade, sem conseguir navegar no fluxo do tempo, que decide iniciar seu império no universo Marvel 616, dando origem a Qeng Enterprises, concorrente das indústrias Stark, mas com o tempo  seu disfarce e planos são descobertos e ele é mais uma vez confrontado e derrotado pelos vingadores.

Este é Kang. Um ser multifacetado (que por vezes entra em conflito consigo mesmo). Um viajante do tempo de difícil compreensão  e definição. Uma entidade atemporal que sempre encontra meios de se sobrepor a seu objeto de estudo, o tempo. Que dispõe de um código moral o qual não o permite vencer mediante traição; sua vitória deve ser conquistada e honrada, e seus inimigos deveem saber que foi ele quem os derrotou.

Q.I. nível gênio, exímio estrategista militar, manipulador do fluxo temporal e especialista em suas ramificações, munido de uma armadura tecnológica que lhe permite capacidades ampliadas para fins de combate, sobrevivência e viagens temporais, dispondo de tecnologia e armamentos futuristas de diversas eras, além de ter a capacidade de mobilizar um exército com fileiras compostas de guerreiros de todo o tempo e espaço.

Sua presença no MCU já era esperada, afinal as últimas atividades pertinentes a linha do tempo com certeza alardeariam a maior autoridade no assunto, além de indiretamente confirmar teorias como multiverso e jovens vingadores.

Sabemos também  que já foi confirmada no filme ‘Homem-Formiga 3: Quantumania’, a presença de Jonathan Majors no papel de Kang, o que faz todo sentido afinal foi o homem-formiga que introduziu o reino quântico e a viagem  temporal ao universo Marvel.

Veja também, outros raios-x’s nossos:

Agora só nos resta aguardar os desdobramentos dos filmes do ‘Homem-Aranha 3’, do ‘Dr Estranho 2’ e do ‘Homem-Formiga e a Vespa 3’ para vermos do que realmente Kang será capaz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *