Scooby! O Filme (2020) | Crítica

Se tem uma palavra que resume Scooby! O Filme, chama-se NOSTALGIA. O filme começa mostrando a origem da amizade de Salsicha e e do nosso querido Scooby. Por conseguinte, os demais componentes da equipe, como conheceram Velma, Fred e Daphne e que, sem querer (isso mesmo, sem querer), já desvendam seu primeiro mistério (ao velho estilo do cartoon clássico) e assim, tiveram a ideia de fundar a Mistério S/A. Confira prévia:

Além disso, podemos perceber que talvez a intenção desse filme, seria já anunciar um universo compartilhado com os desenhos do Hanna-Barbera. O que faz com que aconteçam várias estórias dentro da trama principal. Em alguns momentos, a estória principal sai do foco e as narrativas secundárias tomam mais espaço, porém, não tira a boa qualidade do filme.

Vale salientar a participação de Simon Cowell (famoso jurado de programas como American Idol e The X-Factor) e as novas roupagens para o vilão do filme Dick Vigarista, seu escudeiro Mutley, o herói Falcão Azul junto com o seu Bionicão e queridíssimo Capitão Caverna.

Scooby! O Filme/Hanna-Barbera/Warner – Reprodução

O filme é uma mistura de mistério, ação, nostalgia, várias referências de outras mídias e, a principal lição (como de praxe nos desenhos de Hanna Barbera): amizade acima de tudo, além de mostrar a importância de cada integrante do grupo da Mistério S/A.

Amizade, resiliência e empatia são virtudes que estão em baixa hoje em dia, e principalmente aprender a perdoar o próximo e compreender quando outras pessoas pensam diferente de você. Não tentem provar nada para ninguém, o que fizer, faça por você, prove a você mesmo que conseguirá superar obstáculos, independente do que falem.

Classificação: 

Veja outras críticas nossas:

Scooby! O Filme da Warner foi lanaçdo hoje (23) digitalmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *