Sierra Burgess é uma Loser (2018) | Crítica

O longa possui o selo original do serviço de Streaming mais popular no Brasil – Netflix – e aborda temas tão comum ao público “teen”, de maneira inteligente e descomplicada. Em “Sierra Burgess é uma Loser” são tratadas, através de uma visão realista, as conseqüências sobre a juventude, que nem sempre é o melhor período para um adolescente. Nesta fase de explosão hormonal, inúmeras variáveis encontram-se presas numa equação que pode tornar um adulto, num homem frustrado, repleto de medos e sem confiança, ou alguém diferente de tudo isso.

Sierra Burgess (Shannon Purser) é a nossa protagonista nessa história, e não é a toa que escolheram uma personagem tão carismática a frente do longa. Uma jovem inteligente, que não apresenta o perfil estereotipado desejado, mas desejado por quem? Somos seres humanos diferentes uns dos outros, dotados de especificidades, um exemplo que pontua bem isso são os arranjos das papilas dérmicas… Nem sempre o que é legal pra você, é pra mim… Contudo, o adolescente tem uma necessidade enorme de agradar pessoas sem importância, para envolver-se num dado grupo desejado, mesmo que em alguns momentos precise se esquecer de si mesmo.

Nessa jornada, Sierra sabia muito bem a pessoa que era, identificava muito bem seus limites, qualidades, defeitos, até que o amor toca em seu aparelho de telefonia móvel. Mas para entendermos melhor, é necessário que nos encontremos num outro espaço. Um jovem, Jamey (Noah Centineo), apresenta-se a popular Verônica (Kristine Froseth) com interesses amorosos mesmo, e essa “sem sal” chefe de torcida dá o número de Sierra a ele, fazendo-o crer que era o número dela.

Sierra Burgess é uma Loser/Netflix – Reprodução

Obviamente, que Jamey passou a procurar através de mensagens numa rede social Verônica, mas encontrou do outro lado Sierra, alguém muito inteligente, de ótimo papo e interesses comuns. Paralelamente, aquela líder de torcida “chata”, precisará da ajuda de nossa protagonista nos deveres escolares, de certa forma, a confusão está armada.

A roteirista de “Sierra Burgess é uma Loser”, Lindsay Beer teve o maior cuidado de passar mensagens nas ações de seus personagens, o que não é obrigatório para uma redação, mas muito legal aqui. A trama, por sinal, é bem desenvolvida sim, não havendo pontas soltas; o filme funciona muito bem redondinho. Inclusive, uma boa pessoa pode também cometer uma atrocidade, uma ação má.

Bem dirigido por Ian Samuels o longa é uma boa pedida para o seu tempo livre. Além de uma boa trama, o quadro de personagens é bem enxuto, mas ligeiramente bom! Destacando-se as duas jovens: Sierra Burgess (Shannon Purser) e Verônica (Kristine Froseth).

Classificação: 

Disponível em seu catálogo do Serviço de Streaming, Netflix.

 

Curta a nossa página no Facebook!!!

Siga-nos no Instagram e no Twitter !!!

E continue acessando o nosso Site.

One Reply to “Sierra Burgess é uma Loser (2018) | Crítica”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *