The Boys – 2ª Temporada (2020) | Crítica

Com a chegada do capítulo final da 2ª temporada de The Boys, a série permanece fiel à sua mistura de drama irreverente com doses cavalares de violência, com um desfecho cheio de ação que encerra a maior parte dos sub enredos, ao mesmo tempo em que cria efetivamente, um gancho (ou vários) para 3ª temporada que já está confirmada.

Vou tentar não dá alguns spoilers chave como “quem é o estourador de cabeças?” que é um dos maiores mistérios dessa temporada onde a decisão do showrunner Eric Kripke, de deixar a revelação só para o episódio final foi uma das escolhas mais sábias, especialmente porquê nessa temporada, teve o incremento de novos novos personagens perturbados como Stormfront e Lamplighter.

Os garotos – The Boys – Amazon Prime – Reprodução

Podemos dizer que a primeira temporada foi perfeita e sem sobressaltos. Já a segunda, teve seus altos e baixos (principalmente o arco de Profundo) mas nada que estragasse a experiência como um todo. Quanto a estrutura de narrativa, o diretor Alex Graves (Game of Thrones) e a escritora Rebecca Sonnenshine conseguiram manter a mistura caótica da primeira temporada que é a marca registrada da série com emocionantes batalhas de super-heróis, momentos cômicos divertidíssimos e algumas cenas que puxaram fortemente nossos corações.

Stormfront – Aya Cash – The Boys – Amazon Prime – Reprodução

Quanto aos personagens, Stormfront (Aya Cash) roubou todos os holofotes da segunda temporada. Vimos uma “heroína” mais insana que o próprio Capitão Pátria, com seu sarcasmo ácido e mostrando também a sua tática perfeita que beira ao militarismo (com fortes influências da hq) mas foi no episódio que ela suportou todo o impacto da visão de calor do Capitão, em seu peito que vimos como poderosa ela era. Mas também foi fascinante e um pouco perturbador, ver o quão danificada ela estava depois de Ryan Butcher (Cameron Crovetti) fazer a mesma coisa que o pai.

Billy Butcher – Ryan Butcher – Karl Urban – Cameron Crovetti – The Boys – Amazon Prime – Reprodução

Um dos aspectos mais cativantes da 2ª temporada foi a progressão Billy Butcher (Karl Urban). Não é de agora que vemos Urban provar que pode interpretar com maestria, o herói endurecido (Dredd e O Senhor dos Anéis). No entanto, na 2ª temporada, Billy cresceu e se tornou um ser humano totalmente formado com emoções genuínas (medo, amor e esperança). Ver sua transformação de vigilante para o homem que tem uma conversa animadora com seu filho, é uma virada incrível.

Falamos que a temporada não foi só subida. Teve também seus perrengues e algumas das linhas mais fracas da trama da 2ª temporada, incluindo a espiral descendente da Rainha Maeve em sua vida pessoal foi as aventuras de Profundo com a Igreja da Coletividade, que nunca pareceu verdadeiramente substantiva.

Capitão Pátria – The Boys – Amazon Prime – Reprodução

A segunda temporada dos meninos termina da mesma maneira, deliciosamente irreverente com tudo o que esperamos da série. O último episódio apresentou a batalha mais incrível da temporada que foi o confronto épico entre Stormfront e o trio de heroínas mostrando todo o potencial do empoderamento feminino (quem precisa dos efeitos extravagantes do MCU quando você pode simplesmente dar um soco à moda antiga?), bem como algumas cenas cativantes com Billy Butcher de Karl Urban, fora a revelação do Estourador de Cabeças que deve voltar quando os meninos retornarem.

Repito o que eu falei na crítica da primeira temporada: “The Boys é um dos maiores acertos da Amazon Prime neste ano e já serve de paradigma de qualidade em que os serviços de streaming podem oferecer a seus clientes.”

 

Classificação: 

 

Veja também:

 

The Boys chegou no dia 04 de setembro no serviço de streaming da Amazon.

O que você achou dessa crítica??? Deixem os seus comentários logo abaixo…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *