Transformers: Siege – 1º Temporada (2020) | Crítica

A Netflix nos trouxe uma grata surpresa no final de julho, a série animada Transformers: Siege da Hasbro. Um prelúdio da chegada dos Autobots e Decepticons à Terra, focada na guerra sangrenta em Cybertron. Confira prévia:

Antes projetado como um filme, o primeiro de uma trilogia, a animação dos Transformers na Netflix foi equacionada numa minissérie de 6 capítulos, com aproximadamente 20 min cada episódio. E funcionou! Nessa história, visualizamos o ápice da Guerra em Cybertron, entre Autobots e Decepticons.

Devastada por uma batalha anterior, não bem esclarecida na animação, mas que remonta a sobrevivência de todo Cybertron a uma dada ameaça alienígena, o planeta foi dividido por duas ideologias, por duas facções, uma liderada pelo virtuoso, mas repleto de erros, Optimus Prime – Os Autobots; noutra, o radical e ambicioso, Megatron – Os Decepticons. E nesta confusão, o all’s park pode é a verdadeira missão.

E aqui, nessa simples dicotomia ideológica, reside o ponto alto da trama. As animações, os desenhos com que crescemos, foram criados, num primeiro momento, para atender as crianças, entreter um público mais jovem, fruto natural de uma segmentação de Mercado, na perspectiva financeira habitual. Mas, essa ideia, já não é mais, uma verdade absoluta. Transformers: Siege é uma das inúmeras e recentes produções destinadas a um público mais velho, mesmo podendo agradar a todos.

A linguagem adotada em Siege é atual. Com um enredo belíssimo, o programa criado por FJ DeSanto, a animação da Netflix respira austeridade, força e uma boa dose de profundidade filosófica, mesmo sem carregar as ideias como um fardo, burocratizando a animação. Com ótima evolução e dinamismo, a dualidade de Transformers: Siege encanta o público, deixando o espectador numa hype, desejoso por mais.

Transformers: Siege/Hasbro/Netflix – Reprodução

A história prequel dos Trasnformers, obviamente, terá como destaques os líderes dessa Guerra Civil, Optimus Prime e Megatron, polarizando o protagonismo, todavia, a animação não deixará de apresentar velhos e novos personagens, coadjuvantes de luxo, por sinal.

Apesar de possuir bons traços, contornos de humanoides robóticos ou de Cybertron, a série animada Transformers: Siege se sobressai pela ótima estória contada. ‘Fechadinha‘ e ‘sem sustos‘, a minissérie da Netflix, será bem recebida pela público, dos mais nostálgicos àqueles que acompanharam a franquia nos filmes live-action da Paramount Pictures. Na realidade, a sobriedade do programa daquele streaming, o coloca uns degraus acima das produções do famigerado Michael Bay.

Classificação:

Veja críticas de algumas das produções ligadas a Netflix:

A minissérie Transformers: Siege possui 6 episódios, e encontra-se no catálogo da Netflix desde 31 de julho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *