Transformers: War for Cybertron (2020) – 2º temporada | Crítica

A série prequel Transformers: War for Cybertron ganha a sua segunda temporada evidenciando clareza de ideias, e um mergulho, sem precedentes, ao material original. O programa da Netflix mantém sua ótima forma: Cirúrgico quanto necessário; equilibrado e introspectivo nos momentos ideais; além de possuir ilustrações, traços interessantes. Confira prévia:

A guerra em Cybertron forçou Optimus Prime a se ‘desfazer’ do Allsparks, lançando-o em local incerto, como visto na primeira temporada, na perspectiva de livrar tal poder das mãos sujas dos Decepticons, liderados por Megatron. Mas este, não aceitará tão bem a derrota. Desenvolvendo um novo plano assustador e doentio, Megatron não poupará esforços para obter o núcleo de poder, mesmo que sacrifique compatriotas.

E aqui, vale uma explanação e um pouco de sua atenção. Optimus Prime e Megatron são lados opostos de uma mesma moeda. Feitos de um mesmo material, de uma mesma essência, mas de ações morais paradoxais. Apesar de ambos possuírem a mesma missão, de um lado, o líder dos Autobots executa as suas ações com o minimo de compreensão do universo, enquanto, Megatron tenta encontrar as justificativas de seus erros, pelo objetivo master. Claramente, podemos fazer uma analogia do tipo de ser humano que queremos ser, realizando um convite ao telespectador olhar para dentro si. O que também ocorrera com os personagens-protagonistas.

Em sua segunda temporada, Transformers: War for Cybertron não decepciona, pelo contrário, aprofunda as mazelas vigentes numa Cybertron deixada para morrer, exploradas por mãos gananciosas e falsos deuses. E nesse quesito, a trama é um verdadeiro deleite ao fã do material original. A inserção dos Quintessons, a extração do energon, a jornada pelo Allspark e a chegada num planeta tomado por vidas jurássicas é um afago descomunal dado pela Hasbro ao público, mesclado a sentimentos saudosistas da franquia ‘Transformers‘.

Transformers: War for Cybertron: O Nascer da Terra/Hasbro/Netflix – Reprodução

Todavia, a animação sofre com um erro incrivelmente ‘bobo’. Transformers: War for Cybertron: O Nascer da Terra foi quase que apresentado como algo desconexo com a primeira temporada. Mas para compreender isso, precisamos revisitar o passado. A Hasbro desejava lançar uma trilogia, de título Transformers: War for Cybertron, mas o acordo com a Netflix, tornou os filmes, numa série animada. Até aí, sem problemas, mas para dá continuidade a história, faria mais sentido intitular o programa como War for Cybertron, e elencar cada título, como uma temporada fosse, o que não ocorreu, distanciando assim, as duas produções.

Com contornos épicos, bem escrito e dirigido, Transformers: War for Cybertron: O Nascer da Terra caminha à passos largos para fechar um ciclo quase perfeito da franquia na Netflix. Sem perder tempo com bobagens, sucinto, profundo e de uma linguagem equilibrada, o anime da Hasbro vive um bom momento.

Classificação:

Veja outras críticas nossas, relacionadas ao Mundo Otaku:

O anime ‘Transformers: War for Cybertron: O Nascer da Terra’ é dividido em 6 capítulos, e encontra-se na Netflix.

One Reply to “Transformers: War for Cybertron (2020) – 2º temporada | Crítica”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *