Wifi Ralph: Quebrando a Internet (2018) | Crítica

Na internet, as pessoas demonstram o seu pior

A mais nova animação dos estúdios The Walt Disney Company consegue expandir o universo mágico da empresa num único filme, deixando para trás a exclusividade infantil sobre os traços, aprofundando o pensamento sobre a suposta “Terra de Ninguém”, e obviamente, com recados pra lá de inteligentes levados ao público, independente da faixa etária.

A seqüência era sim muito esperada, afinal, Detona Ralph (2013) já havia sido uma boa animação; bem recebida pelo público e críticos do setor, indicado, inclusive, ao Oscar daquele ano, perdendo para uma outra princesa dos estúdios Disney, Valente. E nessa continuação, os diretores Rich Moore e Phil Johnston conseguiram evoluir os conceitos, desfazer as mazelas, ratificando a boa qualidade dessa nova aventura.

A nossa história começa naquele mesmo fliperama, a amizade entre os nossos queridos personagens é demonstrada da melhor maneira possível, é quase improvável pensar em Vanellope Van Schweetz (Sarah Silverman) e Ralph (John C. Reilly) separados, afinal seis anos se passaram. Num dado dia, algo inusitado os fazem se aventurar na desconhecida “internet”, na perspectiva de solucionar um problema no game da Vanellope.

Nesse doce desafio, encontrarão boa parte dos recursos ofertados pela grande rede, o que torna a visão pela internet gostosa e repleta de easter eggs apaixonantes, desde filmes clássicos – como bem ilustrado nos trailers -, redes sociais presentes em nosso dia-a-dia e muito mais. O roteiro é sim redondinho, a história cumpre com exatidão as suas respectivas premissas, conceitos gerais de introdução, desenvolvimento e conclusão.

Falar dos traços, dos desenhos dessa animação é até crueldade, a Disney quase sempre opta pelo visualmente belo, perfeito e a internet ganhou tons incríveis nesse filme. É de um colorido espetacular.

A animação “Wifi Ralph: Quebrando a Internet” teve um cuidado quase que irretocável quando dialogou com público. Sem muitos embaraços, pudemos compreender que podemos variar do maravilhoso ao grotesco em segundos. E isso é o que nos faz humanos, podemos ofertar o mal, e fazer bem a quem amamos.

Outro ponto importante no longa, é a tendência humana nessa chamada “terra de ninguém”, a internet, de se fazer comentários raivosos, doentios contra um ser, contra um homem ou uma mulher que não conhecemos. Por vezes, esquecemos que do outro lado, também há uma pessoa, com desejos, sonhos e imperfeições como as nossas. Vivemos num mundo, onde a “coragem” é restrita as telas do computador, tablet e/ou celular, precisamos compreender do porque escolhermos de maneira equivocada o papel de “haters”, e no mal que podemos empreender.

“Wifi Ralph: Quebrando a Internet” debateu temas atuais, envolventes para todos os públicos. Você encontrará diversão ilimitada nessa nova animação da Disney. Além da presença de personagens icônicos de nossa infância, desde as princesas do estúdio, personagens da Marvel, da LucasFilm, todos bem ambientados, com suas respectivas trilhas – sonoras, o que deixa ainda mais gostoso assistir a esse filme. O Ano de 2019 começa muito bem nas telonas, espero poder ver mais longas assim, inteligentes, sóbrios e sim, com boas mensagens.

Classificação: 

Wifi Ralph: Quebrando a Internet estreou no dia 03 de Janeiro, e está em cartaz nos cinemas.

O que você achou dessa crítica??? Deixem os seus comentários logo abaixo…

 

Curta a nossa página no Facebook!!!

Siga-nos no Instagram e no Twitter !!!

E continue acessando o nosso Site.

2 Replies to “Wifi Ralph: Quebrando a Internet (2018) | Crítica”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *